17 de janeiro de 2010

Os impérios do mundo bíblico

Império Egípcio

O Egito depois da Palestina é a terra mais salientada da Bíblia. A história dos egípcios se entrelaçam em vários momentos com a do povo israelita. Desde a chegada de Abraão ao Egito até quando José e Maria por orientação do Senhor descem para lá o Egito encontra-se´presente como uma nação poderosa e temida.
A nação egípcia dentre todos os legados deixados para a humanidade, destacou-se nas seguintes áreas:
aprimoramento da geometria e matemática; a arquitetura; a astronomia e escrita.
O império egípcio encontrava-se no nordeste africano tendo ao norte o Mar Mediterrâneo, donde o Rio Nilo despeja suas águas, ao sul estava a Núbia, hoje conhecida como Sudão, ao leste o deserto do Saara e a Líbia e ao oeste limita-se o mar Vermelho.
No período denominado como Novo Império (1580- 1090 a.C.) através das conquistas através de Akhenaton, também conhecido como Amenófis, o Egito alcançou a maior expansão territorial de sua história, abrangendo a Península do Sinai e toda a palestina.
A pré-história do Império Egípcio é marcada por vários conflitos travados pelos dois reinos que compunham aquele território, chamados de:
Alto Egito, localizado ao Sul do território egípcio
Baixo Egito, localizado ao norte do território egípcio
Esses dois reinos apesar de terem uma mesma origem eram tão distintos entre si que possuíam características peculiares, tais como:
Crenças próprias;
Traços culturais próprios;
Dialetos próprios;
Costumes próprios;
Filosofia de vida própria.
Ocorre que estas diferenças tiveram seu fim quando o rei Menés unifica os dois povos, funda a cidade de Mênfis a qual a estabelece como capital dos dois povos. Finda-se portanto os longos anos de batalhas e estabelece a primeira dinastia do Egito. O Egito viveria anos de glória que jamais havia desfrutados em sua toda sua história.
A história do Egito divide-se em três partes:
Antigo Império (3.200 a.C. - 2.300 a.C.)
Médio Império (2.134 a.C. - 1.580 a.C.)
Novo Império (1.580 a.C. - 1.070 a.C. )


Império Assírio

Seu nome significa “graciosa”. Este Império é constituído pelos descendentes de Assur (Gn 10.11,22) neto de Noé.
Posição geográfica: Norte da atual Bagdá (capital do atual Iraque), indo até as imediações dos lagos Van e Urmia. Na linha leste-oeste, vai dos montes zagros até o vale do rio Habur.
Uma das cidades e capitais mais importantes do Império Assírio foi Nínive. Era uma das maiores cidades do mundo, situada à margem oriental do Tigre, cerca de seiscentos quilômetros do mar Mediterrâneo. Foi capital da Assíria nos tempos do rei Senaqueribe, entre os anos 705 a 612 a.C.(Gn 10.11,12). A fortaleza media mais ou menos cinqüenta quilômetros de extensão por dezesseis de largura. Havia cinco muralhas e três fossos (canais) que circundavam a cidade. As muralhas tinha trinta metros de altura e permitiam que quatro carros corressem lado a lado sobre elas. No segundo e terceiro milênios (A.C.) Nínive foi conhecida como sendo um centro religioso. A fama dos poderes curativos da estátua da Deusa Ishtar chegou a territórios tão distantes como o Egito.


O Império Babilônico

A grandeza da Babilônia estava construída sobre ambas às margens do Rio Eufrates. Protegia-a uma dupla muralha. De acordo com os cálculos fornecidos, por Heródoto, esses muros com 56 milhas (90,12km) de circunferência encerravam um espaço de 200 milhas quadradas (321,87 km²). De acordo com o dicionário Buckland, temos mais alguns detalhes desta grandeza: “nove décimas partes dessas 200 milhas quadradas (321,87 km²) estavam ocupadas com jardins, parques e campos, ao passo que o povo vivia em casas de 2, 3 e até 4 andares
Duzentas e cinquenta torres estavam edificadas nos intervalos dos muros, que em cem lugares estavam abertos e defendidos com portões de bronze ou cobre. Outros muros haviam ao longo das margens do Eufrates e juntos ao seu cais. Navios de transporte atravessavam o rio de um lado para o outro e havia uma porte levadiça de 30 pés (9,14m) de largura, ligando as duas partes da cidade. O grande palácio de Nabucodonozor estava situado numa das extremidades dessa ponte, do lado oriental. Outro palácio, a admiração da humanidade, que tinha sido começado por Nabopolossar, e concluído por Nabucodonozor, ficava na parte ocidental e protegia o grande reservatório.
Ao construir Babilônia, símbolo de sua opulência, Nabucodonozor não se esqueceu de reverenciar os falsos deuses. O templo de Bel é um exemplo desse exagero idolátrico. Esse monumento, com 4 faces, constituía-se em uma pirâmide de oito plataformas, sendo a mais baixa de 400 pés (121,92m) de cada lado.
O dicionário Buckland diz: “Sobre o altar estava posta uma imagem de Bel, toda de ouro e com 40 pés (12,19m) de altura, sendo também do mesmo precioso metal uma grande mesa e muitos outros objetos colossais que pertenciam a aquele lugar. As esquinas deste templo, como todos os outros templos caldaicos, correspondiam aos quatro pontos cardeais da esfera”. A grandiosidade, levou Nabucodonozor a esquecer-se de sua condição humana e a julgar-se o próprio Deus. Em consequência disso, ele foi punido pelo Todo-Poderoso. Só reconheceu a sua exiguidade, depois de passar 7 anos comendo relva com os animais. (Dn 4.24-33).


O Império Medo-Persa

No auge do império Medo-Persa detinha o domínio de 127 províncias que ocupavam os territórios desde a Etiópia até a Índia, isso equivale ao território atual de catorze países.
Com a junção dos dois reinos, Medos e Persas, tornam-se uma potência mundial. Liderados por Ciro, o persa, conquistam a cidade da Babilônia e enquanto este se ocupa nas conquistas dos territórios da Lídia, Dario, um de seus generais assume o comando da Babilônia (Dn 5.31).
No livro de Daniel este império é representado através de revelações da parte de Deus em dois capítulos. No capítulo dois é representado pelo peitoral e braços de prata da estátua, simbolizando os dois braços os dois reinos, o peitoral simboliza a unificação destes dois reinos. No capítulo sete é representado pelo urso com três costelas na boca, o urso simboliza a força deste império e a forma de seu domínio e as costelas na boca representam as três principais conquistas deste império: A Babilônia, a Lídia e o Egito.


O Império Grego

Império Grego-Macedônico
Daniel 2.39 (os braços da estátua) - Depois de ti se levantará outro reino, inferior ao teu; e um terceiro reino, de bronze (ou cobre), o qual terá domínio sobre toda a terra.
O sucessor do Império Medo-Persa foi o Império Grego, Macedônico ou Helenístico, de Alexandre, o Grande, e seus sucessores.
Cobre ou bronze
Os soldados gregos foram notáveis por suas armaduras de cobre. Os seus capacetes, escudos e achas-de-pernas eram feitos de cobre. Heródoto nos diz que Psamético I do Egito viu na invasão dos piratas gregos o cumprimento de um oráculo que predisse "homens de bronze vindos do mar".
Domínio sobre toda a terra
A história relata que o Império de Alexandre se estendeu sobre a Macedônia, a Grécia e o Império Persa, incluindo o Egito e estendendo-se na direção do oriente até a Índia. Foi o império mais extenso do mundo antigo até aquele tempo.
Daniel 7.6 - Depois disto, continuei olhando, e eis aqui outro, semelhante a um leopardo, e tinha nas costas quatro asas de ave; tinha também este animal quatro cabeças; e foi-lhe dado domínio.
O leopardo é um animal feroz e carnívoro, notável pela rapidez e agilidade de seus movimentos, não o suficiente para representar o império Grego-Macedônico de Alexandre o Grande, ainda recebeu quatro asas, símbolo da velocidade com que Alexandre fez suas conquistas. Contudo, este grande império foi dividido em quatro partes que corresponde aos quatro generais de Alexandre, Cassandro, Lisímaco, Seleuco e Ptolomeu.
Daniel 8.5-8 E, estando eu considerando, eis que um bode vinha do ocidente sobre a face de toda a terra, mas sem tocar no chão; e aquele bode tinha um chifre notável entre os olhos.
...mas sem tocar no chão... expressa, da mesma forma que o leopardo, a velocidade das conquistas de Alexandre o Grande e, o chifre notável é o próprio Alexandre.
E dirigiu-se ao carneiro que tinha os dois chifres, ao qual eu tinha visto em pé diante do rio, e correu contra ele no furor da sua força.
Vi-o chegar perto do carneiro; e, movido de cólera contra ele, o feriu, e lhe quebrou os dois chifres; não havia força no carneiro para lhe resistir, e o bode o lançou por terra, e o pisou aos pés; também não havia quem pudesse livrar o carneiro do seu poder.
O bode, pois, se engrandeceu sobremaneira; e estando ele forte, aquele grande chifre foi quebrado, e no seu lugar outros quatro também notáveis nasceram para os quatro ventos do céu.
Daniel 8.22 O ter sido quebrado, levantando-se quatro em lugar dele, significa que quatro reinos se levantarão da mesma nação, porém não com a força dele.
Alexandre morreu sem providenciar a sucessão de seu trono. Primeiramente seu vacilante meio-irmão Filipe e depois o seu filho póstumo, Alexandre, foram os governantes titulares, sob a regência dos generais de Alexandre o Grande, que se esforçavam para manter a unidade do império. O império foi dividido em um número muito grande de províncias, sendo as mais importantes governadas por seis generais, como sápatras.
Após 12 anos de lutas internas, os dois reis foram mortos. Em 306 AC, Antígono declarou-se rei, juntamente com seu filho Demétrio, foi o último pretendente ao poder central sobre todo o império. Em oposição, os quatro generais, Cassandro, Lisímaco, Seleuco e Ptolomeu, deixando as posições de sápatras, declararam-se reis dos seus respectivos territórios e, em 301 AC, na batalha de Isso, Antígono foi morto e Demétrio fugiu. Ptolomeu ficou com o Egito, Palestina e parte da Síria; Cassandro com a Macedônia e Grécia; Lisímaco com a Trácia e parte da Ásia Menor; e Seleuco ficou com a Mesopotâmia, parte da Ásia Menor, norte da Síria e o oriente.
Cerca de 20 anos depois da divisão do império em quatro partes, estas foram reduzidas a três, após Lisímaco ter sido eliminado, até que foram absorvidas, uma após outra, pelo Império Romano.
A Grécia era dividida em pequenas cidades-estados com uma língua comum, mas pouca ação conjunta. Os macedônios, de uma nação da mesma família, do norte da Grécia, conquistaram as cidades gregas e incorporaram-nas pela primeira vez num estado forte, unido. Alexandre o Grande, herdando o recentemente expandido reino Grego-Mecedônico de seu pai, partiu para a expansão do domínio macedônico e da cultura grega para o oriente, e conquistou o Império Persa.
O último rei do Império Persa foi Dario III (Codomano) que foi derrotado por Alexandre nas batalhas de Grânico (334 AC), Isso (333 AC) e Arbela, ou Gaugamela (331 AC).
Em 336 AC, Alexandre herdou o trono da Mecedônia, um estado semi-grego, na fronteira norte da Grécia. O pai de Alexandre, Felipe, havia já unido a maior parte das cidades-estados da Grécia sob o seu governo pelo ano de 338 AC. Alexandre provou seu valor dominando revoltas na Grécia e Trácia. Após a ordem ter sido restabelecida no seu próprio reino, propôs-se à tarefa de conquistar o Império Persa, uma ambição que herdara de seu pai. Entre os fatores que impeliram o jovem rei à realização do seu plano acham-se a ambição pessoal, a necessidade de expansão econômica, o desejo de difundir a cultura grega e uma animosidade não estranha para com os persas por causa das relações passadas destes com os compatriotas de Alexandre.
A conquista do Império Medo-Persa
Em 334 AC, atravessou o Helesponto e entrou no território persa com somente 35000 homens, magra quantia de 70 talentos em caixa e provisões para cerca de um mês. A campanha foi uma série de triunfos. A primeira vitória foi obtida em Grânico, a outra em Isso, no ano seguinte, e a próxima em Tiro, no ano seguinte àquele. Passando através da Palestina, conquistou Gasa e depois entrou no Egito, virtualmente sem oposição. Ali, em 331 AC, fundou a cidade de Alexandria. Declarou-se sucessor dos faraós e as suas tropas aclamaram-no como um deus. Quando se pôs em marcha, naquele ano, dirigiu os seus exércitos para a Mesopotâmia, o coração do Império Persa. Os persas tomaram posição próximo à Arbela, a leste da junção dos rios Tigre e Grande Zab, mas suas forças foram derrotadas e desarraigadas. As fabulosas riquesas do maior Império do Mundo estavam abertas ao jovem rei de 25 anos de idade.
Após a organização preliminar do seu império, estendeu suas conquistas para o norte e para o oriente. Em 323 AC, fez a sua capital em Babilônia, uma cidade que ainda preservava restos das glórias dos dias de Nabucodonosor. No mesmo ano, após um período de intensa embriaguez, Alexandre o Grande adoeceu e morreu de "febre do pântano", que se pensa ser o nome antigo da malária, ou uma doença correspondente.


O Império Romano
Otávio tornou-se o primeiro Imperador, governando de 27 a.C. a 14 d.C. Suas primeiras medidas tinham por finalidade reestruturar a administração do novo Estado Imperial: restringiu as funções do Senado; criou uma nova ordem administrativa (as prefeituras); melhorou as formas de cobranças de impostos; instituiu a guarda pretoriana com a função de garantir a proteção do imperador.

Na economia, Otávio incentivou a produção e protegeu as rotas comerciais. Empreendeu a construção de várias obras públicas, o que gerou muitos empregos aos plebeus.

Para ganhar popularidade, Otávio adotou a política do “pão e circo”.

A paz, a prosperidade e as realizações artísticas marcaram o governo de Otávio Augusto. O século I, em que transcorreu seu governo, ficou conhecido como “a pax romana”.

Após o governo de Otávio, o Império Romano foi governado por várias dinastias:

1. Dinastia Júlio-Claudiana (do ano 14 ao 68).

2. Dinastia dos Flávios (do ano 69 ao 96).

3. Dinastia do Antoninos (do ano 96 ao 192).

4. Dinastia dos Severos (do ano 193 ao 235).

CRISE E DECADÊNCIA DO IMPÉRIO
O império Romano, no século III, foi afetado pela crise geral do escravismo, iniciada nos reinados dos últimos Antoninos. A prosperidade romana estava alicerçada na agropecuária e, nessa época, ocorreu uma decadência na produção de técnicas agrícolas, sobretudo na Itália. Somou-se a isso a interrupção da expansão romana no Ocidente, que levou à falta de mão-de-obra escrava, barateando,assim, o trabalho livre e assalariado. Os proprietários passaram a arrendar suas terras aos colonos, instituindo o “sistema de colonato” (a permanência do camponês na terra).

Desses fatores, resultou a diminuição da arrecadação de tributos, levando o Estado a dificuldades de manter a máquina administrativa, principalmente o exército, o que culminou com as invasões bárbaras.

O DOMINATO

O Dominato era uma monarquia despótica e militar, semelhante ao helenístico, ou seja, o poder do governante tinha uma fundamentação religiosa. O nome dessa instituição derivou de dominus (senhor), que foi como passaram a se intitular os imperadores a partir de Diocleciano.

No governo de Diocleciano, foi criada a Tetrarquia. Para melhorar a defesa das fronteiras, principalmente com a pressão dos bárbaros, o Império foi dividido em quatro partes, cada uma delas com governo próprio. Na economia, Diocleciano tentou reduzir a inflação, por meio do Edito Máximo que consistia na fixação dos preços máximos para os produtos comercializados e um limite de ganhos sobre a jornada de trabalhos.

Em 313, Constantino assumiu o poder e restabeleceu a unidade imperial, valorizando a idéia de que a base do Império estava fundada nas províncias do Oriente. Estabeleceu, em 330, a capital do Império Romano na antiga colônia grega de Bizâncio, rebatizada com o nome de Constantinopla. Além disso, instituiu o Edito de Milão, no qual reconheceu a religião cristã, transformando-a na mais importante de Roma. Ainda no século IV, os bárbaros iniciaram as invasões em busca de terras férteis. Em 378, os visigodos investiram contra o Império Romano, vencendo-o na batalha de Adrianópolis.

Teodósio foi o último imperador uno, instituiindo o Edito de Tessalônica, em 330, pelo qual a religião cristã tornava-se oficial do Império.

Por ocasião da morte de Teodósio (395), o Império foi divido em Ocidente, governado por Honório, e Oriente, governado por Arcádio – ambos filhos do Imperador.

O Império Romano decaiu em 476, invadido pelos hunos.

O CRISTIANISMO

O surgimento e expansão do cristianismo estiveram ligados diretamente ao Império Romano. A princípio, os romanos tinham uma religião politeísta dividida entre doméstica e oficial. Na doméstica, as famílias consideravam seus antepassados protetores e os cultuavam. Todas as casas possuíam um altar onde eram realizados os cultos.

Os romanos cultuavam diversas divindades herdadas dos gregos como Júpiter, Vênus, Diana, Baco, Minerva, Netuno e outros.

O cristianismo surgiu na Palestina, uma província romana e, progressivamente, difundiu-se por todo o Império Romano. É uma religião monoteísta, messiânica e profética. Jesus Cristo ensinou o amor a um único Deus, ao próximo, assim como pregou a humildade e a fraternidade.

Os princípios do cristianismo são: a crença na Trindade, crença em anjos, no juízo final, na ressurreição da carne e na vida eterna. A Boa Nova dos cristãos foi pregada pelos apóstolos, no Oriente, e chegou até Roma, posterior a morte de Cristo.

Inicialmente, essa religião foi muito perseguida pelo Estado romano. Mas, após sua oficialização por Teodósio, constituiu-se como a religião universal e a mais importante do Ocidente.

CULTURA

A cultura romana foi influenciada pela cultura grega. Após sua expansão pelo Mediterrâneo Oriental, essa influência intensificou-se, na medida em que os romanos entraram em contato direto com a cultura helenística.

O Direito romano foi um dos aspectos mais importantes que os romanos deixaram para outros povos. Ele surgiu como resultado de um processo histórico lento, fruto de lutas sociais distintas entre patrícios e plebeus.

A igualdade civil conseguida entre as duas camadas sociais possibilitou o aprimoramento do jus civili romano. Por outro lado, a conquista de outros povos exigiu um tratamento especial para os mesmos, originando o jus gentium. É de suma importância a introdução dos princípios de um direito natural, como por exemplo, o direito à vida.

Na literatura, destaque para Cícero, orador; os poetas Horácio, Ovídio e Virgílio; e como historiador, Tito Lívio, autor de História de Roma.

A Arquitetura foi a arte mais desenvolvida, marcada pela grandiosidade de suas construções: muralhas, estradas, teatros, anfiteatros, templos, aquedutos, termas e outros.

Um comentário:

O que você achou deste artigo?
Me reservo o direito de não publicar comentários de anônimos e/ou contendo xingamentos ou spam.