Ads 468x60px

Featured Posts

24 de julho de 2010

Tagged under:

O livro de Êxodo

Texto I - ÊXODO - CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES
Êxodo –Autor e significado do Título
Êxodo, de autoria de Moisés, é um livro com 40 capítulos e 1.055 versículos
Em português "êxodo" e a forma latinizada que se derivou da Septuaginta, onde "ex" significa "fora" e "hodos", caminho, ou seja, "saída"
O Livro de Êxodo, segundo livro do Pentateuco, corresponde a segunda seção da "Toráh", e tem esse nome porque é o livro que relata a saída do povo de Israel, do Egito.
O título de Êxodo foi dado pelos tradutores da Septuaginta, pelo fato de ser o livro que descreve a "saída" de Israel, do Egito. Os judeus deram-lhe o nome de "We elleh Shemoth" devido sua primeira frase: "São estes os nomes".
O Tema do Livro – Redenção
Redenção é o ato de remir ou redimir. Remir tem o sentido de resgatar, tirar do cativeiro. Era, pois, o que o povo de Israel estava necessitando.
No Egito, símbolo do mundo, Israel foi escravizado. No plano espiritual, temos uma figura do homem escravizado, no pecado, sofrendo debaixo do poder e das ordens de Satanás.
Para tirar do cativeiro, ou para prover a Redenção, para seu povo oprimido, no Egito, símbolo do mundo, debaixo do jugo de Faraó, símbolo de Satanás, Deus enviou ao Egito um redentor, ou libertador, Moisés, uma figura de Jesus.
O povo não participou da luta, ou disputa, entre Moisés e Faraó, mas, o povo foi beneficiado pela vitória de Moisés sobre Faraó. Após Faraó ter sido vencido, o povo pôde sair livremente do Egito, porque creu nas palavras de Moisés, aceitando sua liderança.
Da mesma forma, após a vitória do Senhor Jesus, na cruz do calvário, o pecador poderá ser liberto do mundo e do pecado se crer e aceitar o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador, e Redentor.
Redenção é, pois, o Tema do Livro de Êxodo
Moisés e Cristo, no Êxodo
No livro de Êxodo podemos encontrar Moisés, como figura de Cristo, sob diversos aspéctos:
1- Salvo da morte, quando menino – Êxodo 1:15-22
Moisés foi salvo, pela providência divina, pouco depois de seu nascimento, pois, a ordem do Faraó era no sentido de matar todos os meninos recém-nascidos – "...se for filho, matai-o..."(Êxodo 1:16).
A mesma condenação houve quando do nascimento de Jesus -
" Então, Herodes, vendo que tinha sido iludido pelos magos, irritou-se muito e mandou matar todos os meninos que havia em Belém e em todos os seus contornos, de dois anos para baixo, segundo o tempo que diligentemente inquirira dos magos" (Mateus 2:16 ).
2- Moisés sacrificou a sua posição real a fim de libertar o povo
" Pela fé, Moisés, sendo já grande, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, Escolhendo, antes, ser maltratado com o povo de Deus do que por, um pouco de tempo, ter o gozo do pecado" (Hebreus 11:24-25 ).
O mesmo aconteceu com Jesus -
" Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens" (Filipenses 2:6-7 ).
3- Moisés, num primeiro momento, foi rejeitado pelos israelitas
"...Quem te tem posto a ti por maioral e juiz sobre nós?..." (Êxodo 2:14).
Jesus foi, também, rejeitado pelos seus - "Veio para o que era seu, e os seus não o receberam" (João 1:11).
4 – Moisés foi, num segundo momento, recebido como libertador e governante
" A este Moisés, ao qual haviam negado, dizendo: Quem te constituiu príncipe e juiz? A este enviou Deus como príncipe e libertador, pela mão do anjo que lhe aparecera no sarçal" (Atos 7:35 ).
Da mesma forma, Jesus quando vier, em glória, para libertar Israel, será aclamado como libertador –
"...e olhando para mim, a quem traspassaram...e chorarão amargamente..."(Zacarias 12:10).
5- Moisés após libertar Israel, do Egito, conduziu-o, com segurança através do deserto, em direção à Canaã
" Foi este que os conduziu para fora, fazendo prodígios e sinais na terra do Egito, no mar Vermelho e no deserto, por quarenta anos" (Atos 7:36 ).
Jesus, hoje, é o que nos conduz através deste deserto em que vivemos, em direção a Canaã Celestial, pelo que devemos prosseguir –
"Olhando para Jesus, autor e consumador da fé..."(Hebreus 12:2).
É claro que em muitas outras figuras o Senhor Jesus pode ser encontrado no Livro de Êxodo.
A divisão do Livro de Êxodo
O livro de Êxodo pode ser dividido em três partes:
I – Israel no Egito – Êxodo 1 a 12:36
II – A jornada de Israel, do Egito ao Monte Sinai – Êxodo 12:37 a 19:1
III – Israel, no Sinai – Êxodo 19:2- a 40:38
I – Israel no Egito – Êxodo 1 a 12:36
Abraão, o primeiro a peregrinar no Egito
Conforme temos visto no livro de Gênesis, Abraão, o Pai da Nação de Israel, foi o primeiro a peregrinar no Egito, embora não sob a direção e orientação de Deus -
" E havia fome naquela terra; e desceu Abrão ao Egito, para peregrinar ali, porquanto a fome era grande na terra" (Gênesis 12:10 ).
Isaque, seu filho, Deus proibiu que fosse ao Egito –
"E apareceu-lhe o Senhor e disse:não desça ao Egito..."(Gênesis 26:2).
Dos filhos de Israel, o primeiro a descer ao Egito foi José, entrando ali na condição de escravo -
" E José foi levado ao Egito, e Potifar, eunuco de Faraó, capitão da guarda, varão egípcio, comprou-o da mão dos ismaelitas que o tinham levado lá. E o Senhor estava com José, e foi varão próspero; e estava na casa de seu senhor egípcio" (Gênesis 39:1-2 ).
Vinte e dois anos depois toda família de Jacó era levada para o Egito, por providência de Deus, e pela instrumentalidade de José, em cumprimento a promessa de Deus feita a Abraão, mais de duzentos anos atrás –
" Então, disse a Abrão: Saibas, decerto, que peregrina será a tua semente em terra que não é sua; e servi-los-á e afligi-la-ão quatrocentos anos" (Gênesis 15:13 ).
O cumprimento desta promessa vemos registrado em Gênesis, capítulo 46 e ainda em Êxodo 1:1-5 -
" Estes, pois, são os nomes dos filhos de Israel, que entraram no Egito com Jacó; cada um entrou com sua casa: Rúben, Simeão, Levi e Judá; Issacar, Zebulom e Benjamim; Dã, Naftali, Gade e Aser. Todas as almas, pois, que descenderam de Jacó foram setenta almas; José, porém, estava no Egito" (Êxodo 1:1-5 ).
José viveu ainda cerca de 71 anos depois que sua família chegou ao Egito. Ali, os filhos de Israel cresceram e se multiplicaram muito -
" Os filhos de Israel frutificaram, e aumentaram muito, e multiplicaram-se, e foram fortalecidos grandemente; de maneira que a terra se encheu deles" (Êxodo 1:7 ).
Certamente que, se não fora o trabalhar de Deus, os filhos de Israel não deixariam o Egito. Todavia, na promessa feita por Deus a Abraão, ele levaria Israel de volta à terra prometida. Deus garantiu a Abraão que –
"A quarta geração tornará para cá" (Gênesis 15:16).
Deus no comando da história
Precisamos crer que as coisas não acontecem por acaso. Deus havia dito que os filhos de Israel serviriam os egípcios e seriam por eles afligidos. Isto, até então não tinha acontecido. Então Deus tomou uma providência necessária ao cumprimento de sua Palavra -
" Depois, levantou-se um novo rei sobre o Egito, que não conhecera a José" (Êxodo 1:8 ).
Em favor de seu povo Deus derruba e levanta reis. Por isto Paulo afirmou que –
"...todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus..." (Romanos 8:28).
Precisamos crer nisto, aceitando sempre a vontade de Deus. Pense nisto!
Israel afligido no Egito
Em meio a muitas discussões há um consenso mais ou menos geral de que o "hicsos", ou reis pastores, governavam o Egito no tempo em que José ali chegou, tendo sido Apepi II, da XVI Dinastia, por volta do ano 1700 aC., o Faraó que o colocou no poder.
Enquanto os "hicsos" governaram, Israel foi favorecido, no país. Porém, os "hicsos" foram expulsos pela XVIII Dinastia, então, com uma mudança radical de governo, surgiu um novo rei sobre o Egito, que não conhecera José.
Esta nova Dinastia, por certo, estava disposta a impedir que os "hicsos" voltassem ao poder. Temendo que houvesse uma tentativa nesse sentido e que "vindo guerra", os israelitas, então muito numerosos, pudessem se juntar aos "nossos inimigos, e pelege contra nós"(Êxodo 1:10), procuraram encontrar uma maneira de subjugar e enfraquecer o povo de Israel
O fundador da XVIII Dinastia e que teria derrotado os "hicsos", tem sido identificado como sendo o Faraó Amosis I. Este seria, também, o rei que "não conhecera José", e que deu inicio à opressão, ou escravatura do povo de Israel, a fim de enfraquecê-lo.
Primeira tentativa
A opressão foi feita em forma de trabalho escravo, impondo aos trabalhadores cotas de serviços difíceis de se atingir –
"E os egípcios puseram sobre eles maiorais de tributos, para os afligirem com suas cargas..." (Êxodo 1:11).
A sobrecarga de trabalho pesado com o objetivo de limitação de filhos não deu resultados –
"...quanto mais os afligiam, tanto mais se multiplicavam e tanto mais cresciam...E os egípcios faziam servir os filhos de Israel com dureza" (Êxodo 1:12-13).
Segunda tentativa – A ordem para matar os meninos – Êxodo 1:15-22
"E o rei do Egito falou às parteiras das hebréias...e disse: quando ajudardes no parto as hebréias e as virdes sobre os assentos, se for filho, matai-o; mas se for filha, então viva" (Êxodo 1:16).
Mais uma vez o plano de Faraó falhou porque as parteiras "temeram a Deus e não fizeram como o rei do Egito lhes dissera..." (Êxodo 1:17).
Terceira tentativa – Jogar no Rio Nilo todos os meninos recém-nascidos
Supõem-se ter sido o Faraó Totmes I, que reinou entre 1539 e 1514 aC., quem ordenou a matança dos meninos na época em que Moisés nasceu.
TEXTO II - O NASCIMENTO DE MOISÉS, SUA PREPARAÇÃO SUA CHAMADA
Filho de Anrão e Joquebede, ambos da tribo de Leví
" E Anrão tomou por mulher a Joquebede, sua tia, e ela gerou-lhe a Arão e a Moisés; e os anos da vida de Anrão foram cento e trinta e sete anos" (Êxodo 6:20).
" E a mulher concebeu, e teve um filho, e, vendo que ele era formoso, escondeu-o três meses" (Êxodo 2:2 ).
O ato de coragem em esconder o menino valeu aos seus pais um lugar na galeria dos heróis da fé.
A vida de Moisés – um milagre de Deus
Podemos afirmar que o nascimento de Moisés foi uma resposta ao clamor do Povo de Israel -
" E disse o Senhor: Tenho visto atentamente a aflição do meu povo, que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus exatores, porque conheci as suas dores" (Êxodo 3:7 ).
Diante do clamor do povo, Deus providenciou o nascimento de um menino. Na sequência, a preservação de sua vida foi um milagre da fé de seus pais.
Em todos os lances de sua vida temos que admitir a presença do sobrenatural. O fato de ser salvo das águas e de ser adotado por uma princesa, sendo entregue à própria mãe, que além de ter seu filho de volta aos seus braços, vai ser remunerada pelo trabalho de criá-lo.
Tudo isto foge a nossa compreensão, ao exame da lógica. Seus pais tiveram a oportunidade de trabalhar em sua formação moral e espiritual. Foi, com certeza, pelos ensinos que recebeu desde sua mais tenra infância, que um dia ele pôde fazer a sua mais importante escolha -
" Pela fé, Moisés, sendo já grande, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, Escolhendo, antes, ser maltratado com o povo de Deus do que por, um pouco de tempo, ter o gozo do pecado" (Hebreus 11:24-25 ).
Sua vida dividida em três períodos iguais
Foram 120 anos divididos em três períodos de atividades distintas. Não poderia ser coincidência.
1- Primeiro período – de um a quarenta anos
Moisés aprendeu a ser alguém
Como príncipe, viveu na corte mais rica e mais poderosa da terra. Foi preparado exatamente como era preparado um sucessor do trono de Faraó.
Sob a direção dos melhores professores e líderes da época, na corte mais adiantada do mundo. Adquiriu conhecimento intelectual, político, além de treinamento militar.
O historiador Josefo descreve Moisés como um grande General, que à frente dum numeroso exército de seu país conduziu com grande estratégia e sucesso uma extensa campanha contra os etíopes, derrotando-os totalmente.
2- Segundo período – 40 anos no deserto de Midiã
Moisés aprendeu que não era ninguém
Um ambiente muito diferente dos luxuosos aposentos que ele tinha no palácio. Humanamente ele estava preparado, mas espiritualmente ele aprendeu as primeiras lições com Deus, na solidão do deserto. Era Deus guiando seus passos e preparando-o na "escola da experiência" para a grande obra que ele deveria executar.
Foi no deserto que Moisés libertou-se de sua auto-suficiência que tanto complicou a sua vida quando ele, prematuramente, agiu na força do seu braço no sentido de querer libertar o seu povo, pensando que tinha capacidade em si mesmo – Êxodo 2:11-15.
O preparo de Moisés no lar – Êxodo 18:2-4
Sua experiência como marido de Zípora e pai de dois filhos, Gerson e Eliézer, estes certamente despertaram em Moisés sentimentos de amor, paciência, bondade, mansidão. Isto foi de grande valor para ele, mais tarde, no trato com as famílias, no meio do povo.
3- Terceiro período – 40 anos guiando o povo pelo deserto
Moisés aprendeu que Deus é tudo
Moisés aprendeu a viver na dependência de Deus. Ele pode entender o que faria, sem Deus, diante do Mar Vermelho, da Rocha de Horebe, das Águas de Mára, dos Amalequitas. Que resposta daria ao povo quanto este pediu carne, bem como de onde traria o maná. Moisés, dia a dia, aprendia mais e mais a viver na dependência de Deus.
A chamada de Moisés
"E apascentava Moisés o rebanho de Jetro, seu sogro, sacerdote em Mídiã.."Êxodo 3:11).
Há quarenta anos ele era pastor de ovelhas! Ao que parece não tinha o seu próprio rebanho. Ter uma ocupação, estar fazendo um trabalho, parece ser uma das condições para alguém que almeja o episcopado. Olhando através da Bíblia, todos os homens que Deus chamou estavam fazendo uma obra.
Assim foi com Amós, com Gideão, com Saul, com Davi, com Elizeu, com Neemias, com Pedro, com Mateus, com João, com tantos outros. Aconteceu também com Moisés. Ele era pastor de ovelhas!
Moisés e a Sarça Ardente – Êxodo 3:2-4
"E apareceu-lhe o Anjo do Senhor em uma chama de fogo, no meio de uma sarça..."(Êxodo 3:2).
Trata-se de uma sarça comum, como outras que havia no lugar, só que esta ardia sem ninguém ter-lhe ateado fogo e, ardendo, não se consumia. A sarça aqui referida é um pequeno arbusto formando moitas. O que impressionou Moisés é que a sarça continuava a queimar mas não se consumia
Aquele fogo era um emblema da presença do Deus vivo
E Deus falou do meio do fogo – "...Moisés! Moisés! E ele disse: eis-me aqui". Deus chamou-o pelo nome. Quando Deus repete o nome, como aqui, é porque o chamado é muito urgente; muito importante ou muito sério.
Foi assim com Abraão – Gênesis 22:11; com Samuel, I Samuel 3:10; com Marta – Lucas 10:41; com Simão – Lucas 22:31; com Saulo – Atos 9:24, etc.
A verdade é que Deus chama para o seu trabalho de forma direta e pessoal. Chama e confirma para que não haja dúvidas.
O conteúdo da chamada - Êxodo 3:5-10
A presença de Deus santifica o lugar. Portanto, o "Anjo do Senhor" era o próprio Jesus. "tira os sapatos de teus pés". Foi a ordem que recebeu Moisés.
Aquele tempo e de acordo com a cultura daquela parte do mundo, descalçar os pés era sinal de respeito, consideração, reverência. Moisés estava na presença do próprio Deus.
O Senhor esclareceu o conteúdo da chamada de Moisés. Não existe chamada vazia, sem conteúdo. Pense nisso!
" E agora, eis que o clamor dos filhos de Israel chegou a mim, e também tenho visto a opressão com que os egípcios os oprimem. Vem agora, pois, e eu te enviarei a Faraó, para que tires o meu povo, os filhos de Israel, do Egito" (Êxodo 3:9-10 ).
O " Anjo do Senhor" esclareceu o motivo da chamada de Moisés, revelando a necessidade do povo, bem como os detalhes da sua missão– Êxodo 3:6-10
A chamada divina envolve clareza da parte de Deus para com o crente. Você sabe para que foi chamado e qual é a sua missão? Moisés sabia!
A resposta de Moisés – "Quem sou eu...?"
Pela sua resposta sabemos que ele estava preparado. Quando o homem reconhece que não é nada, então Deus pode trabalhar na sua vida, porque o poder de Deus " se aperfeiçoa na fraqueza" (II Coríntios 12:9).
Em 40 anos de deserto Moisés aprendeu quem ele era. Acabara aquela auto-confiança que ele adquiriu, como príncipe, no Egito. Seu "EU" reduziu-se ao pó. Ele tinha aprendido a prática da humildade. Orgulho, altivez, soberba não pode existir na vida de um homem chamado por Deus. Moisés estava preparado para corresponder ao chamado de Deus!
Chamado, preparado, enviado
Esta é a sequência bíblica que precisa ser observada. Aconteceu assim com os apóstolos – foram chamados por Jesus, preparados por ele e com ele durante três anos, depois enviados "por todo o mundo".
Aconteceu assim com Paulo. Ele foi chamado no caminho de Damasco; preparado no deserto da Arábia; de Antioquia foi enviado ao campo missionário.
Aconteceu com Moisés. Ele tinha uma chamada desde seu nascimento, razão porque Deus preparou sua vida; ele foi preparado no deserto de Midiã; agora está sendo enviado ao Egito.
Muitos erram porque começam pelo fim. Vão, ou são enviados por quem não foi chamado; dá tudo errado! Outros têm chamada, mas começam, por conta própria, ou mesmo enviados, porém, antes de estarem preparados.
A preparação pode ser longa, difícil, até sofrida
Não são muitos os que pagam o preço. Isto resulta em obreiros despreparados. Prejuízos para a obra de Deus. As coisas para dar certo precisam acontecer no tempo de Deus.
Moisés já estava com oitenta anos. Certamente que se ele teve um sonho de libertar o seu povo da escravidão do Egito. Materialmente, seu sonho tinha-se inviabilizado. Ele pensava nada mais poder sonhar.
Mas o que pensamos ser o nosso fim, pode ser o começo para Deus. Considere isto!
O tempo de Deus chegou para Moisés e graças a Deus que ele soube esperar. Saber esperar é uma das virtudes que caracteriza um homem de Deus. Davi sabia, pois disse -
" Esperei com paciência no Senhor, e ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor" (Salmos 40:1).
Em Moisés cumpriu-se o que o Salmista escreveria muito tempo depois -
" Na velhice ainda darão frutos; serão viçosos e florescentes" (Salmos 92:14).
O erro de alguns é que quando sentem a chamada divina, imediatamente abandonam tudo e saem despreparados para a obra do Senhor, resultando isso em males e prejuízos para a igreja, para o indivíduo e, muitas vezes, a família se torna na maior vítima.
Timóteo acompanhou Paulo por cerca de quinze anos antes de ser designado para pastorear a igreja, em Eféso.
Elizeu teve uma longa preparação, acompanhando Elias, antes de assumir o seu lugar
Daniel teve que fazer um curso de três anos para trabalhar na casa do rei. Assim, aquele que sente ter a chamada de Deus, precisa começar a preparar-se. Um Curso Básico pode ser parte desse preparo. Pense nisso!
Moisés estava preparado aos olhos de Deus
Foi longo, difícil o trabalhar de Deus em sua vida. Ele estava preparado, segundo Deus. Porém, ele não se considerava estar pronto, sentindo-se incapaz. Pensar ser capaz é uma demonstração de não estar preparado.
1- Moisés sentiu-se incapaz
"Quem sou eu?" Deus lhe respondeu – "Certamente eu serei contigo" (Êxodo 3:12)
2- Moisés sentiu falta de sabedoria
"Que lhes direi?". Deus lhe respondeu – "Eu Sou O Que Sou" (Êxodo3:14). Ele é o todo suficiente. Suficiente em poder; suficiente em proteção; suficiente em recursos; suficiente nas dificuldades, portanto – "Assim dirás aos filhos de Israel: Eu Sou me enviou a vós".
3 – Moisés sentiu que teria problemas com o povo
"Mas eis que me não crerão" (Êxodo 4:1).
Deus o credenciou com um ministério de sinais, prodígios e maravilhas, de modo que ele poderia dizer como depois diria Jesus – se "Não credes em mim, credes nas obras, para que conheçais e acrediteis que o Pai está em mim, e eu nele" João 10:38.
4- Moisés alegou sua falta de eloquência
"...Eu não sou homem eloquente" (Êxodo 4:10).
Deus lhe prometeu inspiração e, por causa de sua insistência, deu-lhe um porta voz – Êxodo 4:11-16.
5 – Moisés obedeceu
" Então, foi-se Moisés, e voltou para Jetro, seu sogro, e disse-lhe: Eu irei agora e tornarei a meus irmãos que estão no Egito, para ver se ainda vivem. Disse, pois, Jetro a Moisés: Vai em paz" (Êxodo 4:18 )
Quando Deus precisa realizar uma obra neste mundo, ele escolhe alguém para isso. Ele mesmo podia libertar o seu povo sem qualquer recurso humano, mas em vez de assim fazer ele usou Moisés como instrumento nas suas mãos.
Uma difícil missão requer uma difícil preparação
A missão que Deus havia reservado para Moisés era das mais difíceis encontradas na Bíblia. Assim, olhando para a vida de Moisés podemos concluir que uma difícil missão requer uma difícil preparação. Considere isto!
Os quarenta anos de Egito foram necessários, mas, os quarenta de deserto, foram decisivos e fundamentais. Moisés, por certo, não podia compreender nada do que estava acontecendo com ele, mas, ele estava na "Escola de Deus", sendo preparado para uma difícil missão. Sem passar pelos caminhos por onde ele estava passando, ele não conseguiria passar pelos que ele teria que passar.
Esta é uma verdade que todo aquele que é, ou que pretende ser um homem de Deus, precisa compreender. Se estamos passando por incríveis dificuldades que não foram causadas por nossa própria imprudência, ou culpa, então é possível que seja o trabalhar de Deus em nossas vidas. Preparando-nos para uma de suas difíceis missões. Creia nisto!
Assim aconteceu com Moisés
Para tornar-se apto a conduzir o povo através do deserto não bastava seus conhecimentos de astronomia, de geografia, de geometria, de medicina, de leis, de psicologia, e tantos outros.
Ele precisava aprender a sobrevivência no deserto, a paciência, a tolerância, o auto-controle e, principalmente aprender o caminho para uma íntima comunhão com Deus. O silêncio e a imensidão do deserto, bem como o trato contínuo das ovelhas de seu sogro, deram-lhe essas qualidades.
Vimos que após quarenta anos de trabalho ele ainda pastoreava as ovelhas de seu sogro – Êxodo 3:1.
Deus pode não lhe ter permitido que tivesse o seu próprio rebanho. Jacó "tinha muitos rebanhos, e servas, e servos, camelos, jumentos". Em consequência teve grande dificuldade para sair de Harã. Moisés não havia criado raízes na terra!
Moisés conduzindo o povo pelo deserto ele sabia que da mesma forma que o rebanho que ele pastoreava não era seu, também aquele povo não lhe pertencia. Ele sabia que tinha que prestar contas de seu trabalho.
Assim como aconteceu com Moisés, também acontece conosco. Se nossa responsabilidade é grande, ela será tão maior se tivermos consciência de que o dono da obra é o Senhor e que nós somos apenas mordomos seus.

0 comentários:

Postar um comentário

O que você achou deste artigo?
Me reservo o direito de não publicar comentários de anônimos e/ou contendo xingamentos ou spam.